terça-feira, 28 de dezembro de 2010

O que aprendemos com Barnabé

O livro de Atos dos apóstolos faz uma síntese da vida de Barnabé, um dos maiores líderes da igreja cristã, nos seguintes termos: "Porque era homem bom, cheio do Espírito Santo e de fé…" (At 11.24). Há três verdades sobre Barnabé que devemos aqui destacar:
1. Um líder cristão deve investir sua vida na vida dos outros.
Ser líder é ser servo; ser grande é ser pequeno; ser exaltado é humilhar-se. Barnabé é o único homem da Bíblia chamado de bom. E por que? É porque quase sempre, ele está investindo sua vida na vida de alguém. Em Atos 4.36,37 ele está investindo recursos financeiros para abençoar pessoas. Em Atos 9.27 ele está investindo na vida de Saulo de Tarso, quando todos os discípulos fecharam-lhe a porta da igreja não acreditando que ele fosse convertido. Em Atos 11.19-26, a igreja de Jerusalém o vê como o melhor obreiro a ser enviado para Antioquia e quando ele vê a graça de Deus prosperando naquela grande metrópole, mais uma vez ele investe na vida de Saulo e vai buscá-lo em Tarso. Em Atos 13.2 o Espírito o separa como o líder regente da primeira viagem missionária. Em Atos 15.37-41 Barnabé mais uma vez está investindo na vida de alguém; desta feita na vida de João Marcos. Precisamos de líderes que sejam homens bons, homens que dediquem seu tempo e seu coração para investir na vida de outras pessoas.
2. Um líder cristão deve esvaziar-se de si para ser cheio do Espírito Santo.
Barnabé era um homem cheio do Espírito Santo. Sua vida, suas palavras e suas atitudes eram governadas pelo Espirito de Deus. Um líder cheio do Espirito tem o coração em Deus, vive para a glória de Deus, ama a obra de Deus e serve ao povo de Deus. Barnabé é um homem vazio de si mesmo, mas cheio do Espírito Santo. A plenitude do Espírito não é uma opção, mas uma ordem divina. Não ser cheio do Espírito é um pecado de negligência. Precisamos de líderes que transbordem do Espírito, homens que sejam vasos de honra, exemplo para os fiéis, bênção para o rebanho de Deus. Quando os líderes andam com Deus, eles influenciam seus liderados a também andarem com Deus. Por isso, a vida do líder é a vida da sua liderança. Deus está mais interessado em quem o líder é do que no que o líder faz. Vida com Deus precede trabalho para Deus. Piedade é mais importante do que performace.
3. Um líder cristão deve colocar seus olhos em Deus e não nas circunstâncias.
Barnabé era um homem cheio de FÉ. Ele vivia vitoriosamente mesmo diante das maiores dificuldades, porque sabia que Deus estava no controle da situação. A FÉ tira nossos olhos dos problemas e os coloca em Deus que está acima dos problemas. A FÉ é certeza e convicção. É certeza de coisas e convicção de fatos (Hb 11.1). É viver não pelo que vemos ou sentimos, mas na confiança de que Deus está no controle, mesmo que não estejamos no controle. A FÉ sorri diante das dificuldades, não porque somos fortes, mas porque embora sejamos fracos, confiamos naquele que é onipotente. Barnabé é um exemplo de um líder que deve ser seguido. Precisamos de líderes que vejam o invisível, creiam no impossível e toquem o intangível. Precisamos de líderes que ousem crer no Deus dos impossíveis e realizar coisas para ele. Precisamos de líderes que olhem para a vida na perspectiva de Deus, que abracem os desafios de Deus e realizem grandes projetos no reino de Deus.

Que neste ano novo você possa realizar grandes projetos de Deus se coloque na presença do Senhor, seja bom, cheio do Espírito Santo e de FÉ.


KADU

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

A importância da autoridade espiritual


TEXTO BÁSICO: ROMANOS 13.1-2

Em Romanos 13.1-2 a palavra de Deus diz: “Obedeçam às autoridades, todos vocês. Pois nenhuma autoridade existe sem a permissão de Deus, e as que existem foram colocadas nos seus lugares por ele. Assim quem se revolta contra as autoridades está se revoltando contra o que Deus ordenou, e os que agem desse modo serão condenados”.

O EXEMPLO DO APÓSTOLO PAULO

Antes de reconhecer a Autoridade, Paulo tentou acabar com a igreja (Atos 8.3); mas depois de se encontrar com Jesus na estrada de Damasco entendeu que era difícil recalcitrar (revoltar-se; rebelar-se, dar coices), contra os aguilhões (autoridade divina) (Atos 9.5) Imediatamente Paulo caiu no chão e reconheceu Jesus como Senhor.

Em seguida, deu-se início ao tratamento de Paulo. O que precisava aprender aquele que tinha livre trânsito nas salas dos governadores e dos sumos-sacerdotes? O que precisava aprender aquele que fora instruído aos pés de Gamaliel, o homem mais sábio de sua época e que podia se comunicar livremente com qualquer estrangeiro do seu tempo? O que precisava aprender aquele que não parava de ameaçar e perseguir a igreja, por considerá-la a escória da humanidade?

A resposta é simples: Paulo precisava aprender a obedecer. A obediência era o ponto de partida não só para a restauração como para a confirmação da conversão de Paulo e posteriormente do seu ministério. Não nos esqueçamos de que foi ele quem escreveu a carta aos romanos. No momento em que foi salvo por Jesus, Paulo reconheceu a autoridade de Deus. Prova disso foi a sua atitude de submeter a sua vida a um cristão simples de Damasco chamado Ananias.

Ananias é mencionado na Bíblia apenas uma vez. Humanamente não se tratava de um ilustre catedrático ou um respeitado homem de negócios. Era apenas um cristão cheio do Espírito Santo, cuja vida estava em total submissão a Deus.

Como pode Paulo, que era formado e capacitado dar ouvidos às Palavras de Ananias – um ilustre desconhecido? A resposta é: o conhecimento da Autoridade Espiritual. Se Paulo não tivesse tido um encontro com a Autoridade na estrada de Damasco jamais teria se sujeitado a Ananias.

Isto nos faz aprender mais um princípio: Todo aquele que conhece a autoridade lida com a autoridade e não com o homem. Não consideramos o homem, mas a autoridade investida nele. Não obedecemos ao homem, obedecemos à autoridade de Deus que está nesse homem.

Isto deve responder às nossas posturas equivocadas diante de um governante calhorda, de um pai estúpido, de um líder espiritual hipócrita ou de um policial que abusa da sua autoridade.

Certa vez, perguntaram a um grupo de membros de igreja: “Você é submisso aos seus líderes?”. As respostas mais comuns foram: ”Se eu achar que devo, sim”; “Se eles fizerem por onde merecer, sim”; “Se os líderes procurarem viver de acordo com a vontade de Deus, sim”.

O nosso erro está em sempre atrelar a nossa obediência a homens e não a Deus. Com isso damos lugar à rebeldia, alimentamos a desordem e saímos do propósito de Deus.

O que seria da família se os filhos só obedecessem aos pais que nunca cometeram erros? O que seria da nação?
NÃO PODEMOS ESQUECER DISSO: O princípio da Obediência não tem a ver com os homens, mas com Deus.

Um irmão querido me perguntou esta semana, o que fazer quando um pai ou uma mãe diz para o filho a não vir mais para a igreja. Esse filho deve obedecer aos pais? Claro, eu respondi. Então a pessoa me disse: Mas Jesus não disse que aquele que não deixar pai e mãe por amor a ele não é digno dele? Sim. Respondi. Mas não confundamos Jesus com a instituição chamada “igreja”. Jesus irá resolver o problema desta pessoa, não porque ela foi fiel à igreja, mas porque foi obediente ao princípio da Autoridade Espiritual.

Posteriormente veremos como Davi se relacionou com o princípio da Autoridade. Quando Saul perseguia Davi teve oportunidades de sobra para aniquilar com a vida de Saul. Os seus guerreiros lhe disseram destas chances. Mas qual foi a resposta de Davi? “Longe de mim, tocar a mão no ungido do Senhor”. Todos sabemos que Saul já não merecia mais nenhum respeito, nem como rei nem como homem. Mas Davi naquele momento não estava lidando com o homem, estava lidando com a Autoridade de Deus que ainda estava naquele homem. O povo e o próprio Deus já haviam escolhido Davi como sucessor de Saul. Mas o trono ainda não havia sido passado oficialmente a Davi. Portanto, Saul ainda era a autoridade.

O EXEMPLO DE JESUS

Vemos em Filipenses 2.8 que Jesus foi obediente até a morte na cruz; naquele tempo a maneira mais vergonhosa de morrer.

No Jardim do Getsêmani Jesus buscou o Pai em oração a ponto de o seu suor se transformar em gotas de sangue. Jesus estava sendo fraco, tampou estava com medo da cruz. A sua condição no Getsêmani fundamentava-se no princípio de 1 Samuel 15.22, que diz que para Deus obedecer é melhor do que sacrificar. É a vontade de Deus que Jesus está procurando compreender e não a intensidade do sacrifício. A vida de Jesus sempre esteve centrada na vontade do Pai. Sinceramente ele ora: “Se é possível, passe de mim este cálice; não seja, porém, como eu quero, mas como tu queres”.

Veja: A vontade de Deus é que é absoluta. Não o cálice (a crucificação). Antes de conhecer a vontade de Deus, o cálice e a vontade de Deus eram duas coisas distintas. Contudo, depois que Jesus compreendeu que o cálice estava dentro do propósito de Deus, a vontade de Deus e o cálice se tornaram uma só coisa. Quem, naquele momento, exercia autoridade sobre Jesus, a vontade de Deus ou a cruz? Claro, a Vontade de Deus.

No cristianismo, a cruz é o ponto culminante. Mas é em função de Deus ter decidido que fosse. Antes de Jesus e depois dele, muitos morreram crucificados. O que tornou a cruz um símbolo marcante foi porque aprouve a Deus que o seu filho morresse na cruz pelos nossos pecados. Para Jesus, importante não era morrer dessa ou daquela maneira; importante era estar no centro da vontade de Deus. Não era o sacrifício, era a autoridade de Deus sobre a sua vida. Este foi um princípio que o acompanhou durante todos os seus dias aqui na terra.

A ATITUDE DE JESUS DIANTE DOS TRIBUNAIS
Mateus 26 e 27 registram o duplo julgamento que Jesus enfrentou após o seu aprisionamento. Diante do sumo sacerdote ele recebeu julgamento religioso e diante de Pôncio Pilatos recebeu julgamento político. Quando foi julgado por Pilatos (Mateus 27), o Senhor não respondeu nada, pois se encontrava sob jurisdição terrena. Mas quando o sumo sacerdote o conjurou pelo Deus Vivo, então ele precisou responder às perguntas que estavam sendo feitas. Isto é obediência à autoridade.

Aqui está a segunda consideração que precisávamos fazer acerca deste princípio: Todo aquele que conhece a autoridade lida com a autoridade e não com o homem.

CONCLUSÃO


Vamos concluir a mensagem de hoje pensando nas palavras do pastor chinês Watchman Nee: Há dois importantes aspectos no universo: confiar na salvação de Deus por meio de Jesus Cristo e obedecer à sua autoridade. Confiar e Obedecer.

A Bíblia define o pecado como transgressão (1João 3.4). Em Romanos 2.12, a palavra “sem” lei é o mesmo que “contra” a lei. A transgressão é desobediência à autoridade de Deus; e isto é pecado. Pecar é uma questão de conduta, mas transgressão é uma questão de atitude do coração. O presente século caracteriza-se pela transgressão, e logo o fruto desse pecado aparecerá. A autoridade no mundo está sendo cada vez mais solapada até que, finalmente, todas as autoridades sejam destruídas e a transgressão governe. Saibamos que no universo existem dois princípios: o da autoridade de Deus e o da rebeldia satânica. Não podemos servir a Deus e simultaneamente andar pelo caminho da rebeldia. Satanás ri quando uma pessoa rebelde prega a palavra, pois nessa pessoa habita o princípio satânico. O princípio do serviço tem de ser a autoridade, se obedecemos ou não a autoridade de Deus”.

Na palavra de Deus há linhas específicas de autoridade que devemos obedecer para não estarmos em rebeldia contra o próprio Deus:

1. Em relação a Deus (Daniel 9.5-9)

2. Ao governo civil (Romanos 13.1-7, 1Timoteo 2.1-4; 1Pedro 2.13-17)

3. Aos pais (Efésios 6.1-3)

4. Esposa em relação ao marido (1Pedro 3.1-4)

5. Ao patrão (1Pedro 2.18-23)

6. Aos líderes da igreja (Hebreus 13.17)

7. Uns aos Outros (Efésios 5.21)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Atitudes de um líder vencedor

Atitudes de um líder vencedor

Dizia a todos: "Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue,dia a dia tome a sua cruz e siga-me.”
Lucas 9:23

Quando Jesus andou sobre a terra ele saiu a chamar homens comuns e transformou esses homens num exemplo de líderes. E o nosso desafio é ser um líder vencedor.
Deus chamou você para ser um líder vencedor.
A proposta de Jesus, não foi uma proposta simples. A proposta de Jesus não foi uma proposta desafiadora. Pois eu digo, “se fosse fácil ser um líder todos seriam”
Ser um líder é um desafio. Não é para qualquer um. Somente os vencedores conseguem.
Veja o que Disse Jesus em Lc. 9.23: “ Se alguém quer vier após mim, a si mesmo se negue dia a dia, tome a sua cruz, e siga-me”
Nessas palavra de Jesus estão implícitas algumas atitudes vencedoras, as quais um líder deve colocar em prática.

I – VONTADE:
Veja as palavras do Senhor Jesus. Ele foi muito claro: “Se alguém quer”. Esse querer ao qual Jesus se refere é muito mais do que desejo. Esse querer é vontade. E eu digo isso, porque para existe uma diferença entre DESEJO E VONTADE.
Desejo fala de um sentimento passivo. Muitas pessoas dizem: “que queria ter um carro”. Vai morrer querendo. “Eu queria ser um empresário”. Vai continuar querendo. Porque quem “queria" não conquista nada. O mundo está cheio de pessoas que queriam.
“SÓ DESEJO NÃO É SUFICIENTE É PRECISO UMA VONTADE FIRME”
VONTADE é algo ativa. Quando você sente vontade, você faz alguma coisa. Pessoas derrotadas e que nada conquistam e nunca rompem na vida, dizem: “que queria muito...”. 
Pessoas vencedoras dizem:“Eu vou conseguir”. Eu vou ter” Eu vou fazer...”E a vontade vai levá-la a fazer algo.
Se você quer ser um vencedor você precisa ter muito mais, do que desejo, você precisa ter vontade. Muitos que desejavam há dez anos, continuam desejando hoje. Mas os que ativaram o poder da vontade própria, esses superaram barreiras e obstáculos e estão no rol dos vencedores.
Querer é muito mais do que desejar. Quer é te vontade e fazer algo para que isso aconteça. Desejo tem haver com expectativa. Vontade tem haver com atitude. Não existe vontade sem que antes haja um desejo. Mas o simples desejo não faz com que as coisas aconteça.
Por exemplo: Uma pessoa pode estar com fome, estar consciente de sua necessidade e mesmo assim não fazer nada para saciar sua fome.
Quantas pessoas você conhece, que dizem querer um emprego melhor mas não fazem nada para que isso aconteça. Não se preparam. Quantas pessoas querem um casamento melhor mas não fazem nada para melhor o seu relacionamento.

A Segunda atitude vencedora é...

II – PERSEVERANÇA

Perseverança é algo que vai além de uma simples iniciativa. Porque há muitas pessoas que iniciam, há
muitas pessoas que começam. Mas infelizmente ficam na metade no caminho.
A perseverança é o ingrediente presente na vida de todos os vencedores. A perseverança faz a diferença entre o vencedor e derrotado.
O mestre disse: negue a si mesmo a cada dia. Tome a sua cruz a cada dia. Porque não adianta negar um dia e no outro não. A sua vida está escondida atrás da sua rotina. O Dr. Mike Murdock diz “O que você faz repetitivamente determina quem você é”
“A cada dia”. Fala de uma rotina, de uma coisa constante,. Fala de algo que é constante.
Há muitas pessoas que começam a seguir a Jesus, mas não carregam a cruz a cada dia. Elas reclamam da cruz que é pesada, elas tentam aliviar o peso.
Esses dias recebi um E-mail que possuía uma a seguinte ilustração : o preguiçoso que julgando ser sua cruz muito pesada resolveu cortá-la para ficar mais leve. E quando chegou diante do abismo, se deu conta, que o pedaço que dela tirara o impossibilitou de atravessar o abismo.
Perseverança têm haver com paciência, saber esperar o tempo certo das coisas acontecerem em sua vida. Como lavrador que primeiro semeia e depois aguarda a colheita.
Mas tem gente que vive uma vida ansiosa quer resultados imediatos de tudo o que faz.
por exemplo: Como alguém que orou. Senhor dá-me paciência, mas tem que ser agora.
O Diabo fará de tudo para você ficar na metade do caminho. Mas você precisa perseverar.
O que diferencia um líder vencedor de um derrotado não é a capacidade de iniciativa. Há muitas
pessoas que iniciam muitos projetos, mas nada vai até o final.
Não pare no meio do caminho. O Diabo faz tudo para que pessoas não se convertam, depois que elas se convertem ele faz tudo para que elas não se batizem. Depois que ela se batiza ele faz tudo para você abandonem a vida cristã. E é nesses momentos que entra o líder vencedor, com estratégias de Deus para que a obra seja realizada.

III –COMPROMETIMENTO

Costumeiramente, em português entendemos compromisso e comprometimento como sinônimos, mas
existe uma sensível diferença em termos psicológicos.
De maneira simples podemos dizer que:
COMPROMISSOS são externos a você, podem ser adiados. Têm mais o sentido psicológico de tarefa
ou “obrigação” situada no tempo, algo agradável e nem sempre desejável.
COMPROMETIMENTO: é um processo interior que tem estímulos tanto internos quanto externos.
Uma vez desenvolvido, torna-se constante no tempo, caracterizando o seu ser, o seu comportamento e variando em função do valor que você atribui às solicitações e tarefas que lhe são apresentadas.
Compromisso você marca e desmarca. Mas quando há um comprometimento você paga o preço. Você é capaz de dá suor, sangue e lágrimas.
Comprometimento tem haver com disciplina. Não é uma questão de agenda a ser cumprida. É uma questão de encargo. Compromisso você diz: “não deu”. E não faz. Mas o comprometimento chama você a uma responsabilidade suprema.
MUITOS TÊM COMPROMISSO, MAS SÓ OS LÍDERES VENCEDORES TÊM COMPROMETIMENTO!
Líder vencedor não é necessariamente uma pessoa extraordinária. É uma pessoa normal, mas uma pessoa que tem um elevado nível de comprometimento. Os vencedores, não desejam eles agem e não descansam enquanto não conseguem o que buscam com intensidade. Líderes vencedores são intensos.Líderes vencedores não param na metade do caminho. Tem gente que tem histórico, de tudo o que começa fica pela metade. Líderes vencedores são pessoas perseverantes. Eles não desistem. Eles vão até o final. Líderes vencedores são pessoas comprometidas. Eles não tem apenas uma agenda. Eles não estão entre aqueles que por qualquer motivo abrem, mão do seu compromisso. Líderes vencedores sentem-se responsável por aquilo que fazem. Líderes vencedores vão até as últimas consequências. Eles fazem sacrifício.
O convite de Jesus inclui esses três aspectos: "Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo a cada dia, tome a sua cruza e siga-me”.

Esse é um convite para qualquer um deseja ser viver como um líder vencedor.

A Paz !!!

sábado, 3 de outubro de 2009

As qualidades de um líder


A Bíblia nos relata a história de um homem que foi um exemplo de líder em sua geração e ainda continua sendo para nossas vidas: Davi – um homem segundo o coração de Deus.

Em 1 Samuel 13.13-14, vemos: “Então disse Samuel a Saul: Procedeste nesciamente em não guardar o mandamento que o Senhor teu Deus te ordenou; pois teria agora o Senhor confirmado o teu reino sobre Israel para sempre. Já agora não subsistirá o teu reino. O Senhor buscou para si um homem que lhe agrada e já lhe ordenou que seja príncipe sobre o seu povo, porquanto não
 guardaste o que o Senhor te ordenou.”


A primeira qualidade que Deus viu em Davi foi a ESPIRITUALIDADE. Ele vivia em harmonia com o Senhor, mesmo quando teve que enfrentar o pior momento da sua vida: vivendo em uma caverna, sozinho, sem alimento, sem alguém para compartilhar sua dor e sua agonia, totalmente na dependência do Senhor. Naquele lugar sombrio Deus começa a agir em sua vida, fazendo dele um guerreiro, treinando-o para grandes batalhas. Ali, em meio à tão grande solidão, como é descrito no Salmo 142, o Senhor começa a prepará-lo para ser rei. O líder espiritual age assim, não sai da “caverna”, deixa Deus agir na sua vida, mudando o seu caráter, passando a enxergar com os olhos espirituais as coisas do Senhor.

A Palavra é muito clara quando diz que não devemos andar ansiosos com coisa alguma, mas vivermos na dependência do Pai Celestial. Mateus 6.25, diz: “Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de beber; nem, quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestido?”. É exatamente assim que Davi se encontrava: desprovido de toda ajuda humana, mas provido da segurança de Deus.
O nosso coração deve ser inteiramente do Senhor Jesus, devemos renunciar às coisas que o desagrada e entristece e correr para os seus braços de amor.

A segunda qualidade que Deus viu em Davi foi a HUMILDADE. Segundo o Dicionário Aurélio humildade é: “Virtude que nos dá o sentimento de nossa fraqueza; modéstia, demonstração de respeito, de submissão”. Quando o profeta Samuel chega à casa de Jessé (pai de Davi) ele pensara que Deus havia escolhido para ser o futuro Rei de Israel um homem belo, similar aos padrões de beleza do Rei Saul (que o povo escolhera), ele não imaginava que Deus havia escolhido para ser Rei, o rejeitado, o ‘feio’, o esquecido. Em 1 Samuel 16.1 está escrito: “Disse mais Samuel a Jessé: Acabaram-se os mancebos? E disse: Ainda falta o menor, e eis que apascenta as ovelhas.”

Ele estava trabalhando no campo, não deixava seus afazeres, era um servo útil, fazia seu trabalho com responsabilidade, amor e dedicação. Foi exatamente isto que agradou a Deus, ele era fiel, e seu coração era completamente do Senhor. “Então, mandou chamá-lo e fê-lo entrar (...) Disse o senhor: Levanta-te, e unge-o, pois este é ele. Tomou Samuel o chifre do azeite, e o ungiu no meio de seus irmãos...” (1Sm. 16.12-13.)

A partir desse momento, ele toma conhecimento de que Deus o havia escolhido para ser o futuro Rei de Israel. Ah! então ele saiu correndo aos gritos contando a todos o que acabara de acontecer? NÃO, ele volta para o seu trabalho, aos seus afazeres.

O líder é assim, humilde, obediente aos seus pastores, não se rebela, mas serve fielmente, como servo útil...
Deus olhou e aprovou o comportamento de Davi, sabia que ali estava um homem que suportaria humilhações e tudo mais para chegar onde Deus desejava.


A terceira qualidade que Deus viu em Davi foi a INTEGRIDADE que quer dizer retidão, inteireza moral, qualidade do que é integro. A palavra ‘integridade’ vem do hebraico thamam, traduzido como: completo, inteiro, inocente, sadio, sólido, forte. “Tirou-o do cuidado das ovelhas e suas crias, para ser o pastor de Jacó, seu povo, e de Israel, sua herança. E ele os apascentou consoante a integridade do seu coração, e os dirigiu com mãos precavidas.” (Sl. 78.71-72.)

Deus viu em Davi a inocência de um coração completo e íntegro para servi-lo. Deus não está à procura de espécimes admiráveis da humanidade, mas de líderes íntegros e comprometidos com a sua Palavra. Ele busca servos profundamente espirituais, verdadeiramente humildes e que tenham integridade.

DEUS ABEÇÕE A TODOS !!!

sábado, 26 de setembro de 2009

Desenvolvimento de habilidades de liderança

Para serem eficazes, os líderes cristãos devem inspirar seus seguidores, incentivando-os a se desenvolverem individualmente como cristãos e colocarem sua fé em ação. Os líderes cristãos mais eficazes geralmente são os que dedicam tempo para identificar, apoiar e inspirar os outros a participarem de seu trabalho.
Apoiar e treinar novos líderes para todos os aspectos e níveis da vida da igreja é muito importante. Os líderes devem dedicar tempo para o desenvolvimento de habilidades de liderança nos outros. Eles devem, em primeiro lugar, acreditar no potencial das outras pessoas e estar preparados para compartilhar a responsabilidade com elas. Eles precisam oferecer tempo, comprometimento e oração para treinar e apoiar as pessoas nestas novas responsabilidades. As pessoas cometem erros. Os líderes precisam desenvolver paciência e perdão e incentivá-las a aprenderem com seus erros e continuarem.
Todas as igrejas possuem pessoas com habilidades de liderança em potencial, que talvez não tenham confiança e experiência. Este potencial talvez precise ser reconhecido e incentivado através da delegação de responsabilidade, do treinamento e de oportunidades para servir. Às vezes, pode ser necessário desafiar os pontos de vista culturais sobre a liderança, examinando-se os ensinamentos bíblicos.
Discussão
  • A liderança é um dom que pode ser desenvolvido ou um chamado de Deus?
  • Leiam 1 Pedro 5:1-4. Façam uma lista das características dos bons líderes mencionadas nesta passagem.
  • Leiam Timóteo 3:1-13, onde Paulo fala sobre as qualidades necessárias para os líderes da igreja dentro da cultura daquela época.
    • Façam uma lista das qualidades que Paulo menciona.
    • Quais destas todos os cristãos deveriam ter?
    • Estas qualidades podem ser mostradas pelas mulheres com potencial para a liderança na cultura de hoje?
  • Como as pessoas são escolhidas para as responsabilidades dentro da nossa igreja? Que qualidades e pré-requisitos são necessários?
  • As pessoas com responsabilidades de liderar os outros deveriam ser bem instruídas e alfabetizadas? Elas precisam ser homens ou pessoas mais idosas?
  • A liderança é sempre para toda a vida? Pensem em situações em que as pessoas na liderança talvez já não sejam mais úteis. Como podemos avaliar nosso trabalho e saber quando deixar os outros seguirem com o trabalho? Como podemos treinar os outros para assumirem um papel de liderança?
  • Para serem bons, os líderes precisam de muito treinamento? Se precisam, que tipo de treinamento?